Gilson Pneus

Quando se pensa em manutenção do nosso carro, um dos itens básicos de segurança faz parte da suspensão dele: são os amortecedores. Mas de fato você sabe para que serve o amortecedor e qual sua função específica na proteção do seu veículo?

AmortecedorCertamente ele é uma peça fundamental da suspensão e como diz o nome, “amortece” os impactos e as oscilações da carroceria no momento em que se depara com obstáculos diversos na rua ou estrada. Além disso, o amortecedor auxilia no controle dos movimentos das molas, dentro da suspensão, mantendo com maior segurança os pneus em contato permanente com o solo, o que acarreta em estabilidade e boa dirigibilidade para o motorista não perder o controle do veículo, em uma dada situação de risco. E no que diz respeito à constituição de um amortecedor, é composto de dois tubos que se encaixam um dentro do outro e ainda de suportes e fixadores externos, os quais estão diretamente ligados às duas partes do veículo, o que o torna a base central da suspensão, dentro da configuração de um carro.

No geral sua composição é complexa, por ter aproximadamente 50 partes, tais como tubo de reservatório, tubo de pressão, haste, pistão, válvula de pistão e válvula de base. E seu funcionamento passa pelo princípio da hidráulica, porquanto há um fluído que é transportado de uma câmara inferior para uma superior, aliado a um sistema de ar comprimido ou gás de nitrogênio que ajuda na pressurização do amortecedor. Assim, é uma peça que visa a garantir a segurança e o conforto de todos os ocupantes do veículo.

 

E quais são os principais cuidados que devemos ter com o uso dos amortecedores, na manutenção do veículo?

 

-Passar por obstáculos como lombadas ou valetas em uma baixa velocidade ajuda a preservar os amortecedores e a suspensão, uma vez que a velocidade alta contribuiria para aumentar os trancos e movimentos torcionais do carro, o que ocasiona forças laterais na movimentação dos componentes da suspensão e do amortecedor, com consequentes folgas, ruídos e possíveis empenamentos que levem inclusive ao travamento total deles.

 

-Para sua correta manutenção, os amortecedores devem ser trocados aos pares, não importando se somente um apresenta problemas ou desgaste. Em outras palavras, se um dos amortecedores de cada par (dianteiro ou traseiro) é trocado, é inevitável que a outra peça diminua em sua eficiência, por causa da vida útil do mesmo. A consequência disso é um fatal desequilíbrio nos movimentos do volante do veículo.

 

-Evitar o uso de amortecedores recondicionados, uma vez que não têm a mesma eficácia das peças novas. Recondicionar é uma armadilha para o consumidor, pois o ideal é escolher marcas conhecidas do mercado como Monroe, Nakata e Cofap.

Enfim, componentes como os amortecedores de qualidade são essenciais para a segurança de um veículo, e a primeira regra de ouro é utilizar peças originais ou de fabricantes renomados, as quais garantem uma reposição e assistência técnica qualificada. E também perceber se a marca de amortecedores dispõe de certificações e testes, tais como os do Inmetro. Recomenda-se a substituição a cada 40 mil km, para evitar acidentes.